Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Avalie os políticos da Paraíba!

Você pode ver e votar nos políticos do Estado.

“Cascata para ganhar indenização”, diz Bolsonaro sobre torturados durante regime militar

“Cascata para ganhar indenização”, diz Bolsonaro sobre torturados durante regime militar - Otávio Sá Leitão

Fabrício de Castro
Estadão

O presidente  Jair Bolsonaro disse neste sábado, dia 29, que as denúncias de tortura ocorridas no regime militar são “tudo cascata para ganhar indenização”. A afirmação foi feita no final da manhã, ao sair do Palácio da Alvorada e conversar com simpatizantes, entre eles um militar que esteve nas matas do Vale do Ribeira, em Eldorado (SP), em busca do guerrilheiro Carlos Lamarca.

Durante a conversa, populares que acompanhavam a saída de Bolsonaro do Alvorada comentaram que naquela época havia muito tortura. “Isso é papo…A maioria… Tudo cascata para ganhar indenização”, afirmou o presidente.

Jair M. Bolsonaro
 
@jairbolsonaro
 
 

- Hoje na saída do Alvorada o prazer em encontrar um Soldado que, por 45 dias, esteve nas matas do Vale do Ribeira (Eldorado/SP), na caça do terrorista (herói do PT) Lamarca.

 
Vídeo incorporado
 
6.969 pessoas estão falando sobre isso
 
 
 

 

DILMA – Bolsonaro disse que a ex-presidente Dilma Rousseff integrou, durante o regime militar, a Vanguarda Revolucionária, que teria atuado na região. “A Dilma integrava a guarda popular revolucionária, que matou a paulada um tenente no Vale do Ribeira”, disse Bolsonaro, em referência ao tenente Alberto Mendes Júnior.

O tenente Alberto Mendes, da Polícia Militar de São Paulo, foi morto em maio de 1970, em Eldorado Paulista, por Carlos Lamarca e outros quatro guerrilheiros da Vanguarda Popular Revolucionária, a VPR, uma das organizações de luta armada no tempo da ditadura.

PRESA NO DOPS – Nessa época, Dilma Rousseff estava presa havia três meses no DOPS, em São Paulo, período em que foi torturada. Depois, foi levada para o Presídio Tiradentes, onde ficou até 1973. Não há registro da participação dela em ações de luta armada antes e depois.

 

Dilma chegou a integrar a organização Colina. Essa organização se fundiu com a VPR formando a VAR-Palmares, mas, segundo depoimentos de integrantes da luta armada, a ex-presidente não chegou a participar de atividades do novo grupo.

Fonte: TRIBUNA DA INTERNET

Comentários