Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Com atraso de 5h30, José Dirceu se entrega à Polícia Federal em Curitiba

Com atraso de 5h30, José Dirceu se entrega à Polícia Federal em Curitiba - Otávio Sá Leitão
O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu se entregou à Polícia Federal, em Curitiba, por volta das 21h30 desta sexta-feira, 17. Dirceu tinha até as 16h para se entregar na sede da PF. Ele optou por ir de carro de Brasília, onde mora, até Curitiba, cerca de 1.400 quilômetros de estrada. Segundo seus advogados, um acidente na rodovia BR-116 provocou um congestionamento, atrasando o cronograma de viagem do petista.
 
"Houve um acidente no caminho", disse o ex-deputado Wadih Damous (PT-RJ), ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro, que integra a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aguarda a chegada de Dirceu à PF de Curitiba.
Em despacho na tarde desta sexta, o juiz Luiz Antonio Bonat, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, disse que foi informado do atraso, mas com outra justificativa. "(A defesa) Esclarece, contudo, que pela distância entre Brasília e Curitiba e pelo mau tempo, o condenado, que saiu de carro, durante a madrugada, da Capital Federal, não conseguirá chegar até as 16h".
 
Na última quarta-feira, 16, o juiz Bonat determinou que José Dirceu se apresentasse para o cumprimento da pena de 8 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.
A decisão foi tomada após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) ter rejeitado recurso da defesa do ex-ministro, que buscava reverter sua segunda condenação na Lava-Jato, e determinado a "imediata expedição de ofício" ao magistrado para que fosse iniciada a execução provisória da pena.
 
Já condenado em uma primeira ação da Lava-Jato a 30 anos, nove meses e 10 dias de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e pertinência a organização criminosa, Dirceu estava em liberdade por decisão da 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu habeas corpus a ele para que a prisão não acontecesse antes do esgotamento da análise dos recursos nas Cortes superiores.

Fonte: (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Comentários