Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Avalie os políticos da Paraíba!

Você pode ver e votar nos políticos do Estado.

Pelo Menos 120 Dos 180 Frigoríficos Do País Estão Paralisados

Pelo Menos 120 Dos 180 Frigoríficos Do País Estão Paralisados - Otávio Sá Leitão

Nas granjas, os animais correm o risco de começar a passar fome. Pelo menos um milhão de frangos e porcos estão ameaçados. Segundo a ABPA, “os bloqueios impedem o transporte de ração, animais vivos e cargas refrigeradas”. Os produtores explicaram que o estoque de ração nas granjas não é muito grande; é suficiente apenas para 3 ou 4 dias sem abastecimento regular. “A partir do quinto dia, os produtores já começam a intercalar a alimentação – dia sim, dia não; dois dias sim, um dia não – para não ter a falta total”, explicou José Rodolfo Ciocca, gerente de agropecuária sustentável da WAP. Mas há ainda um outro problema. Com a paralisação repentina, os frigoríficos, sem ter como dar vazão a seus produtos, suspendem o abate dos animais. “Começa a haver um acúmulo de animais na granja”, explica Ciocca. “Os que já estão aptos para o abate continuam crescendo; isso aumenta a demanda por ração, reduz o espaço físico disponível por animal, gerando estresse e aumentando sua vulnerabilidade a doenças”. Para se ter uma ideia do tamanho do problema, somente a Aurora Alimentos abate cerca de um milhão de frangos e 200 mil porcos por dia. Frigoríficos menores abatem 200 mil frangos diariamente. A produção anual de frango no Brasil é de 6,5 bilhões e a de suínos, 44 milhões.

Os animais que já se encontravam na estrada, em transporte, estão sofrendo com a paralisação, o calor e, eventualmente, a falta de alimentos. Neste primeiro momento, o problema afeta, primordialmente, a produção de porco e de frango. O gado bovino em geral é criado no pasto, com mais espaço e menos dependente de ração, e os produtores têm como contornar o problema mais facilmente. No entanto, milhares de litros de leite estão sendo jogados fora diariamente porque não há como fazer o transporte e tampouco se pode deixar de ordenhar as vacas sob o risco de desenvolverem doenças. “Estamos gerando um alerta para autoridades e governos para que se envolvam na elaboração de um plano de contingência nacional para casos como esse”, afirmou Ciocca: “São milhares de vidas animais sob nossa tutela e não há um consenso ainda para liberar os caminhões de ração, por exemplo”.

Comentários