Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Bravo com a mídia, Toffoli é manso com o delator

Bravo com a mídia, Toffoli é manso com o delator - Otávio Sá Leitão
Durou pouco mais de  72 horas a censura imposta à notícia que deixara mal o presidente do Supremo, Dias Toffoli. A atrocidade caiu de podre. Foi revogada por quem a decretou, o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito secreto aberto por ordem de Toffoli. Antes da revogação, Toffoli se expôs ao ridículo. Em manifestações sobre o caso, foi ácido com a imprensa que o imprensou e doce com o condenado Marcelo Odebrecht, que jogou sua reputação no ventilador em explicações fornecidas à Polícia Federal.
 
Um repórter perguntou para Toffoli, sem rodeios: O senhor é o amigo do amigo do pai do Marcelo Odebrecht? O magistrado, entre risos e titubeios, respondeu: "Olha, isso daí é tão curioso que eu até dou risada. Como é que você vai responder uma pergunta dessas? É tipo assim: a pessoa te acusa de algo —'ó, você é um pedófilo'—, aí você vai na imprensa dizer 'eu não sou'."
 
Perguntou-se também a Toffoli: Pretende processar o Marcelo Odebrecht? E o presidente do Supremo, claudicante, respondeu: "Essas questões todas vão ser resolvidas posteriormente." Bom, muito bom, excelente. De imediato, apenas a censura aos sites Crusoé e Antagonista, que revelaram a existência de documento em que o corrupto condenado Odebrecht pinta e borda com o nome de Toffoli. Interpelar judicialmente o delator… Nem pensar!
 
A grande dúvida nacional era se essa aberração que Toffoli levou o Supremo a fazer em sua defesa era ou não uma censura. Todas as evidências indicavam que era. Mas talvez faltasse um crachá. As orelhas eram de lobo, o focinho era de lobo, os dentes eram de Lobo… Mas Toffoli ainda jura que se tratava de uma vovozinha disfarçada, zelando pela integridade da Suprema Corte. Ou Supremo pulveriza Toffoli ou Toffoli transformará em pó o que restou da reputação do Supremo.

Fonte: Antonio Morais

Comentários