Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Avalie os políticos da Paraíba!

Você pode ver e votar nos políticos do Estado.

Pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém concluem que países podem controlar a epidemia de coronavírus sem impor bloqueios

Pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém concluem que países podem controlar a epidemia de coronavírus sem impor bloqueios - Otávio Sá Leitão

Uma equipe de especialistas em negócios e doenças infecciosas da Universidade Hebraica de Jerusalém (HU) divulgou um novo estudo, concluindo que Israel e outros países poderiam ter controlado a epidemia de coronavírus chinês sem impor bloqueios.

O Prof. David Gershon e o Prof. Alexander Lipton, da Escola de Negócios de Jerusalém da Universidade Hebraica, e o Prof. Hagai Levine, da Escola de Saúde Pública da Universidade Hebraica, um dos principais epidemiologistas de doenças infecciosas e médico de saúde pública, desenvolveram um modelo baseado em evidências reais e dados da vida útil da pandemia do coronavírus chinês para determinar se os países realmente precisam dos bloqueios.

“Analisamos uma abordagem para gerenciar a pandemia de covid-19 sem ‘desligar’ a economia e permanecer dentro da capacidade do sistema de saúde. Baseamos nossa análise em um modelo epidemiológico heterogêneo detalhado, que leva em consideração diferentes grupos populacionais e fases da doença, incluindo incubação, período de infecção, hospitalização e tratamento na unidade de terapia intensiva (UTI). Modelamos a capacidade de assistência médica como o número total de leitos hospitalares e de UTI para todo o país”, dizem os pesquisadores no estudo.

Com base em seu modelo, eles determinaram que, se um país tomar medidas precocemente como de higiene, distanciamento social, período de quarentena de 14 dias e testes para qualquer pessoa com sintomas, poderia evitar bloqueios durante toda a pandemia, desde que o número de leitos de UTIs por milhão esteja acima do limite de cerca de 100. Quanto mais leitos hospitalares tiver na UTI de um país, menor a probabilidade de seu sistema de saúde ficar sobrecarregado e exigir um bloqueio.

Nos caso de países em que o número total de leitos de UTIs é inferior a limiar, os resultados dos cenários de quarentena total e parcial são quase idênticos, tornando desnecessário “desligar” toda a economia. Basta um período limitado de quarentena para grupos específicos de alto risco da população, enquanto o restante da economia pode permanecer operacional, segundo o estudo.

Os pesquisadores explicam no estudo que as pandemias atacam apenas uma porção muito específica de uma certa população. Os governos devem se concentrar em proteger aqueles de alto risco, enquanto os de baixo risco podem continuar trabalhando e manter a economia funcionando.

Em teoria, as autoridades podem deter uma epidemia colocando em quarentena toda a população por um período prolongado, desde que essa quarentena seja tecnicamente viável. No entanto, o preço econômico e social dessa quarentena é alto demais, sem mencionar sua natureza decisivamente medieval, dizem os pesquisadores.

Quando eles testaram o modelo em Israel, descobriram que, mesmo no pior cenário, o número de leitos de UTIs necessários para todo o país não excederia os 600. Antes do início do surto, havia pelo menos 2.000 leitos. Portanto, a política de bloqueio era desnecessária e poderia ter sido substituída por boas práticas de higiene, distanciamento social de membros de alto risco da população e testes, e quarentena daqueles que apresentam sintomas, afirma a equipe do estudo.

 

Além disso, com base na taxa de infecção que Israel tinha antes do bloqueio, Israel nunca teria chegado a uma situação em que há um sobrecarga do sistema de saúde, de acordo com o estudo.

Segundo os pesquisadores, a taxa de infecção em Israel é muito baixa para sobrecarregar os hospitais do país, porque o nível de preocupação com a doença é alto e a reação natural da população é de cuidadosa a super-cuidadosa quando se trata de pessoas que estão no grupo de alto risco.

Os pesquisadores apontam no estudo para países como Suécia, Cingapura, Taiwan e Coreia do Sul, que nunca tiveram lockdowns. Em vez disso, eles implementaram políticas de higiene precoce para garantir que os mais vulneráveis fossem protegidos. Os sistemas de saúde desses países nunca estiveram sobrecarregados, embora o número de leitos de UTI por população fosse menor que o de Israel.

Os países que impõem um bloqueio pagam um alto custo financeiro e social, de acordo com os pesquisadores. Israel, por exemplo, implementou um bloqueio rigoroso no país, e a taxa de desemprego passou de 4% para mais de 26% em questão de semanas, provocando protestos dos empresários.

O governo israelense está agora lentamente começando a diminuir as restrições, depois que o Ministério das Finanças alertou que a economia não se recuperaria do impacto econômico que o bloqueio está causando no país.

Em vez de bloqueios, os pesquisadores acreditam que os governos deveriam solicitar à população que se comporte de maneira responsável e mantenha todas as medidas de higiene.

Segundo os pesquisadores Gershon, Lipton e Levine, os bloqueios têm consequências mortais e as pessoas podem morrer por causa da ruína financeira e econômica que são desencadeadas.

Por causa dos bloqueios, serão vistas em muitas áreas não previstas as consequências, como por exemplo, um aumento na violência doméstica, abuso de drogas, crimes e suicídios.

Em abril, a mídia israelense informou que um comerciante de tradição no famoso mercado Mahane Yehuda de Jerusalém cometeu suicídio devido às dificuldades financeiras causadas pelas medidas de bloqueio.

A equipe de pesquisadores da HU planeja levar seus estudos mais longe e analisar quantas vítimas o bloqueio deixará.

O estudo publicado não pode mudar o passado, mas é um aviso para o futuro, caso uma segunda onda de coronavírus chinês aconteça novamente.

Fonte: Conexa o politica

Comentários