Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Avalie os políticos da Paraíba!

Você pode ver e votar nos políticos do Estado.

Aécio Neves aguarda resultado final de inquérito após Cármen Lúcia acatar pedido da PF

Aécio Neves aguarda resultado final de inquérito após Cármen Lúcia acatar pedido da PF - Otávio Sá Leitão

A ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, concedeu para a Polícia Federal mais 30 dias para a conclusão de inquérito envolvendo Aécio Neves. O senador é investigado pela Lava Jato através da delação premiada de ex-executivos da empreiteira Odebrecht.

Aécio é apontado como o beneficiário da quantia de R$ 30 milhões depositada pela Odebrecht. A empreiteira teria pago o senador para que obras envolvendo hidrelétricos do Rio Madeira – as usinas de Santo Antônio e Jirau, fossem realizadas.

Além do mais, a Andrade Gutierrez também lançou ao senador a quantia de R$ 20 milhões. No final das contas, Aécio Neves teria recebido mais de R$ 50 milhões em vantagens indevidas. Na época em que o inquérito foi aberto, a assessoria do senador respondeu que os delatores foram “unânimes” e que não houve nenhum pagamento ilícito envolvendo Aécio.

A Procuradora-Geral da República e a Polícia Federal pediram mais 60 dias para avaliar provas pendentes. Será feita uma perícia no sistema de contabilidade da Odebrecht.

Nesta última quinta-feira (11), a ministra do Supremo, Cármen Lúcia, concedeu 30 dias do prazo. A PGR afirmou que desde que o inquérito foi lançado, vários outros elementos deverão ser apurados a partir de agora.

Cármen Lúcia enfatizou que após o final do prazo, o inquérito final deverá ser apresentado ao ministro Edson Fachin. O relator dos processos da Lava Jato no Supremo tomará decisão a respeito das provas existentes contra o senador.

PF e as provas contra Aécio Neves
A Polícia Federal teria indicado que Aécio manipulou dados da CPI dos Correios. Em 2005, no esquema do mensalão, o senador teria maquiado dados do Banco Rural a fim de omitir a ligação da instituição com esquema do operador Marcos Valério e o governo de Minas Gerais. As informações são do portal “O Globo”. Na época, o governo mineiro era comandando por Aécio Neves.

Comentários