Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Avalie os políticos da Paraíba!

Você pode ver e votar nos políticos do Estado.

A falsa oposição entre meio ambiente e desenvolvimento econômico

A falsa oposição entre meio ambiente e desenvolvimento econômico - Otávio Sá Leitão

Angelo José Rodrigues Lima* A sociedade brasileira vem acompanhando nas últimas décadas, um falso debate sobre a questão ambiental. Algumas vezes na imprensa escrita e falada alguém escreve ou fala que o meio ambiente atrapalha o desenvolvimento, que as organizações não governamentais (ongs) ambientalistas são radicais e não querem que uma região se desenvolva economicamente, enfim, sempre procurando enfatizar esta falsa oposição entre a questão ambiental e a geração de emprego e renda (por exemplo). Mas de fato a quem interessa este falso debate? Será que não é ao contrário, não será a falta de água, solo bem cuidado, madeira (floresta), que as atividades econômicas e outras serão prejudicadas? Primeiro, vamos tratar de debater a quem interessa este debate. Para mim, este debate interessa aos setores irresponsáveis e gananciosos que querem lucrar a qualquer preço e custo, não pensam no dia de amanhã, acreditam que a tecnologia poderá resolver tudo e não pensam nem nas gerações futuras de suas próprias famílias. O fato é que este falso debate só interessa a setores que não querem cumprir o mínimo da legislação ambiental brasileira, por isso estimulam este debate. Na segunda questão, não será a falta de recursos naturais, por exemplo, a falta de água para a pecuária, a indústria, a irrigação, obter seus produtos, que prejudicará o seu desenvolvimento? Possivelmente, em algumas regiões do Brasil, já não há mais como ter qualquer tipo de empresa, pois já não é mais possível captar água do rio ou de qualquer outra fonte, pois a quantidade e qualidade da água não é mais suficiente para que aquela determinada empresa capte água para obter seu produto, ou no mínimo, aquela empresa tem de usar muita substância química para que possa obter uma água de qualidade e poder usá-la em seu processo produtivo. Uma outra questão é que quando acusam uma organização ambiental de radical, temos que verificar: o que significa ser radical? Radical, significa ir na raiz dos problemas, ou seja, enfrentar a origem do que causa o problema e não enfrentar somente o problema. Por exemplo, quando se fala em dragagem dos rios que estão cheios de terra, ou seja, estão assoreados (termo técnico), do que adianta apenas dragar o rio, se não enfrentarmos a causa do problema que é o desmatamento, pois é ele quem causa o assoreamento dos rios. Ser radical, é isto, ir na origem dos problemas. Além disso, temos de lembrar que existem diversas formas de vida na floresta e também nos rios e que a manutenção da qualidade destas paisagens é fundamental para sobrevivência destas outras espécies, e reforçando mais uma vez que estas paisagens naturais nos prestam serviços ambientais (ar com qualidade, água com quantidade e qualidade, clima mais ameno, etc) sem nos cobrar por isso, só o que precisamos fazer é cuidar bem delas. Portanto, a sociedade brasileira, precisa estar ainda mais atenta para este debate e procurar trabalhar para que as políticas públicas estejam alinhadas de forma a combinar desenvolvimento econômico e social com sustentabilidade ambiental. Tenho ido a diversos locais deste país, onde, o que vejo é um segmento com lucros altos e ainda uma sociedade com poucos recursos financeiros, beneficiando-se muito pouco da riqueza do segmento, ou seja, a riqueza não é distribuída, que aliás, é uma outra questão do desenvolvimento compartilhado. Isto é possível, porém, para isso acontecer é preciso que a sociedade também queira. Outra questão que precisamos esclarecer neste falso debate é a diferença entre desenvolvimento econômico e crescimento econômico. O que temos visto, mesmo no Brasil, ainda é um crescimento econômico e não desenvolvimento econômico. Fazendo justiça, o Brasil tem tentando ir por um caminho diferente, mas ainda muito tímido. Desenvolvimento econômico implica mudanças estruturais, culturais e institucionais. Existe uma tradição que rejeita a identificação de desenvolvimento econômico com crescimento da renda per capita ou simplesmente crescimento econômico. Celso Furtado, em seu livro teórico mais geral, não separa desenvolvimento de desenvolvimento econômico, e o distingue de crescimento. Para ele, “o desenvolvimento compreende a ideia de crescimento, superando-a”. É importante citar esta diferença, pois quando falamos que não existe diferença entre meio ambiente e desenvolvimento é exatamente isto, pois o que precisamos é de desenvolvimento econômico, o que implica também, além das mudanças citadas acima, sustentabilidade ambiental. Voltando a falar da insustentabilidade de nosso modelo de crescimento econômico, por exemplo, será que não é insustentável o fato de agora o governo do estado de São Paulo querer retirar água do Paraíba do Sul para abastecer a região metropolitana de São Paulo? Aliás, o governo de São Paulo já tem um plano de retirar em outras bacias e isto é ou não é um exemplo de insustentabilidade? Vejam a notícia que foi dada na penúltima semana de novembro de 2013: “O abastecimento de água em metade da Grande São Paulo e nas regiões de Campinas, Jundiaí, Limeira e Piracicaba entrará em colapso até 2024, caso não sejam construídos novos reservatórios, em cinco anos. O Sistema Cantareira – o maior produtor de água dessas regiões e responsável pelo abastecimento de 14 milhões de moradores – não dará conta da demanda, decorrente do crescimento demográfico e industrial previsto para o período. A afirmação é de órgãos técnicos e entidades ligadas ao setor que alertam que governos e empresas de água terão de buscar novas fontes de recursos hídricos para suprir esse consumo. Só com o crescimento populacional médio anual estimado em 1% para a Grande São Paulo e 4% para a região de Campinas, será necessária a produção de água suficiente para abastecer 400 mil moradores a mais a cada ano.” E esta política de buscar água cada vez mais longe, nos parece ser insustentável tanto do ponto de vista ambiental, quanto econômico. Qual será o custo econômico de buscar água cada vez mais longe? Para citar mais um dado, a cidade de São Paulo, na avaliação da Agência Nacional de Águas, requer um novo manancial para abastecer a cidade e na pesquisa do Instituto Trata Brasil, no entanto, perde cerca de 36% nas redes de distribuição da água potável e perde em faturamento da água potável cerca de 30%. Não é contraditório pensar em buscar água cada vez mais longe e não enfrentar este problema da perda de água? Além disso, o que São Paulo está fazendo em relação a recuperação de seus mananciais de abastecimento? Caso não façamos uma discussão séria e de fato mudarmos de crescimento econômico para um modelo de desenvolvimento econômico com sustentabilidade social, econômica e ambiental, a água certamente é o recurso natural com que teremos mais problemas, e isto já acontece em algumas regiões. O que está acontecendo agora em São Paulo, é um sinal de alerta máximo, pois este tipo de crescimento é insustentável. Mais uma vez, aproveitemos a eleição do ano que vem para discutirmos estas questões, pois este problema não é somente de São Paulo, mas sim de um modelo de crescimento que não trabalha com uma visão mais integrada dos desafios de nosso tempo. Claro, a população do Estado de São Paulo deve fazer este debate, assim, como todo o Brasil.As eleições do ano que vem podem ser um bom momento para este debate. Desde já, façamos este debate. Angelo José Rodrigues Lima – socioambientalista. angelo.lima@uol.com.br

Fonte: Angelo José Rodrigues Lima

Comentários