Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

País estranho esse em que o ministro do STF dá habeas corpus ao ex-chefe

País estranho esse em que o ministro do STF dá habeas corpus ao ex-chefe - Otávio Sá Leitão
aís estranho esse. José Dirceu estava condenado a 30 anos e estava livre, mas na segunda condenação de oito anos e dez meses, agora mandaram prendê-lo. Alguém que quiser entender isso que entenda…
 
Vamos esclarecer. Ele já havia sido condenado na Lava Jato a 30 anos de cadeia – eu não estou falando do mensalão, que ele também foi condenado -, e o Supremo, em uma turma, um ex-funcionário dele, o ministro Dias Toffoli tomou a iniciativa de conceder-lhe um habeas corpus. Estranho, né?!
 
Outro dia eu falei do ministro Sebastião Reis Júnior, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que deveria julgar o habeas corpus do ex-presidente Temer e se julgou impedido porque tinha trabalhado no escritório de advocacia que servia à Eletronuclear, de onde teria saído a propina de que é acusado Temer. Ele se declarou impedido por causa disso.
 
Mas, o presidente do Supremo não se declarou impedido e José Dirceu saiu, embora ele tenha sido o advogado do partido de José Dirceu, o PT, e tenha sido parte do governo ao qual José Dirceu servia. Porém, ele não se declarou impedido e liberou José Dirceu na condenação de 30 anos. Isso é pena máxima no Brasil.
 
Pois depois agora Dirceu recebeu a segunda condenação de onze anos e três meses, ainda do então juiz Sergio Moro, da 13° Vara Federal de Curitiba, e o Tribunal Regional Federal (TRF-4) reduziu para oito anos e dez meses. José Dirceu apelou e agora o TRF-4 o condenou definitivamente e mandou prendê-lo.
 
É uma coisa muito estranha essa história de Justiça. Ainda na véspera, fazendo uma palestra sobre segurança pública e as causas da impunidade no Brasil, eu citei essa história de marchas e contramarchas, embargos, recursos, etc…
 
São coisas que acabam no Supremo, o que é um absurdo: o Supremo é uma corte Constitucional. Mesmo assim, julgou aroma de cigarro e agora julgou 26 sementes de maconha. Tudo muito estranho.
 
Hora do patrão bater no chão e dizer o rumo
 
Ontem (16) foi um dia preocupante no mercado de câmbio e no mercado de capitais. O dólar passou de R$ 4,00 e a bolsa voltou a 90 mil pontos – já tinha chegado a 100 mil pontos.
 
Isso no mesmo dia em que nosso presidente foi homenageado em Dallas, Texas. No dia em que se anunciou a quebra de sigilo do senador Flávio Bolsonaro, que representa o Rio de Janeiro – não só dele, mas de um grupo muito grande, quase 30 pessoas, ligadas a ele.
 
Enquanto isso o governo está patinando na Câmara. Acaba que a gente analisa isso como uma espécie de falta de coordenação do governo. Falta de comando, parece que tem gente em um barco remando para um lado e uma parte rema para o outro.
 
Espera-se que o patrão desse barco dê uma batida no chão e diga: “O rumo é esse, todos remando no mesmo rumo”. As próprias lideranças do governo ficam confusas.
 
Relações entre os poderes
 
Eu citei há pouco o ministro Dias Toffoli. Ele está voltando de Nova York, na companhia do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM).
 
Mas vai continuar na companhia do presidente do Senado, porque ele está indo para o Amapá, que é o estado de Davi Alcolumbre, que foi o responsável pela CPI da toga no Senado.

Fonte: Alexandre Garcia

Comentários