Confira os sites mais acessados da Paraíba!

Ranking com credibilidade e confiança!

Avalie os políticos da Paraíba!

Você pode ver e votar nos políticos do Estado.

Após cancelamento de manifestações, movimento pró-governo organiza “panelaço” no domingo

Após cancelamento de manifestações, movimento pró-governo organiza “panelaço” no domingo - Otávio Sá Leitão

Após o pedido do presidente Jair Bolsonaro de adiamento das manifestações pró-governo marcadas para domingo, dia 15, grupos apoiadores dos atos convocam um panelaço no mesmo dia.

 

O Avança Brasil tomou a frente e enviou para os apoiadores uma nota, na qual explica o motivo da suspensão das manifestações e pede que batam panelas. Em comunicado enviado logo depois do pronunciamento de Bolsonaro, nesta quinta-feira, dia 12, o grupo confirmou o adiamento.

 

DESAGRAVO – “Conclamamos porém, que todos juntem-se a nós em um mega panelaço no dia 15/03 às 20h em desagravo às atitudes de congressistas irresponsáveis que não tem o Brasil acima de tudo e que somente pensam em seus benefícios”, dia a nota.

 

Organizadores do Movimento NasRuas, que também apoia os atos, também se manifestaram. Pediram “compreensão” dos seguidores. “Em um momento futuro onde a nação brasileira poderá manifestar de todo Brasil seu apoio ao Presidente e exigir o correto trâmite das reformas administrativa e tributária que serão apresentadas ao congresso, em segurança, convocaremos novamente”, disseram.

 

POLÊMICAS – A mobilização em apoio ao presidente estava prevista para dezenas de cidades do país e foi marcada com semanas de antecedência. A convocação gerou críticas de parte dos brasileiros que enxergou no movimento pró-governo um víes antidemocrático de defesa de fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal.

 

Por causa disso, um vídeo de divulgação dos atos compartilhado por Bolsonaro pelo WhatsApp no final de fevereiro gerou forte reação, inclusive com manifestações críticas do ministro Celso de Melo, decano do STF, e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

 

ATAQUES – Nas redes sociais, mensagens de convocação aos atos com ataques a Rodrigo Maia e aos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e do STF, Dias Toffoli, foram comuns. Monitoramento da FGV Dapp (Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas) entre os dias 20 de fevereiro e 10 de março indicou que as dez hashtags mais usadas nas postagens em convocação aos atos incluíam: #dia15porbolsonaro, #somostodosbolsonaro, #maiagolpista e #queromaianacadeia.

 

Lideranças ouvidas pela BBC News Brasil, porém, negam que os atos sejam a favor do fechamento do Congresso e do STF. Eles acusam, no entanto, os dois poderes de agirem contra iniciativas do governo Bolsonaro.

 

RESTRIÇÕES – Já os que defendem essa atuação do Legislativo e do Judiciário argumentam que os dois Poderes têm legitimidade para barrar propostas do Executivo. “Obviamente a gente tem restrições contra alguns congressistas e alguns membros do STF, por causa de suas atitudes, mas não é em reação às instituições”, disse o coordenador do Avança Brasil, Nilton Caccáos.

Fonte: contexto exato

Comentários