Portal mídia livre 15 anos

Tem tucano na jogada também. Click e veja no site de Otavio Sa Leitao

SEGUNDO RICARDO PESSOA, ALOYSIO NUNES PEDIU EM 2010 DOAÇÃO DE R$ 500 MIL, DOS QUAIS R$ 200 MIL EM DINHEIRO

Tem tucano na jogada também. Click e veja no site de Otavio Sa Leitao

O dono da UTC, Ricardo Pessoa, relatou a investigadores ter acertado com o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) doação para campanha eleitoral no valor de R$ 500 mil, sendo R$ 300 mil feitos por repasses oficiais e R$ 200 mil em dinheiro. Em delação premiada, Pessoa disse que o encontro para acertar o pagamento foi feito no escritório político do senador e então candidato, na Avenida 9 de Julho, em São Paulo.

Além dos dois, participou do encontro o presidente da Constran – empresa comprada pela UTC -, João Santana, segundo o empreiteiro. Pessoa disse não se recordar sobre como foi a entrega dos valores, “sabendo apenas que o dinheiro utilizado é proveniente do caixa 2 da UTC e que teve participação do escritório de advocacia de Roberto Trombeta”.

O empreiteiro relatou ainda que “não acreditava” na vitória do tucano, mas sabia que era um nome influente no PSDB e “um nome ministeriável sempre”. Por meio de assessoria, o senador nega o recebimento de dinheiro de caixa 2 e diz que procurou apenas o presidente da Constran, João Santana, para solicitações de doação “nos termos da lei eleitoral”.

Os pedidos de investigação feitos pela Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre o tucano e sobre o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, estão apartados das apurações sobre a Operação Lava Jato. O entendimento dos procuradores é que a investigação recai sobre uso de dinheiro de caixa 2, com suposta prática de crime eleitoral, sem relação com os contratos da estatal. O ministro Celso de Mello é responsável pelos pedidos de investigação no Supremo Tribunal Federal.

Mais Notícias

INSACIÁVEL. Confira aqui
INSACIÁVEL. Confira aqui

QUERO UM PASSARINHO INSACIÁVEL!

O PT e seu apoio a ditaduras
O PT e seu apoio a ditaduras

Em reunião do Foro de São Paulo, Gleisi Hoffmann deixou claro que o partido apoia o regime assassino de Nicolás Maduro