Portal mídia livre 15 anos

TAMBÉM QUERO BOLSA-ALUGUEL, IGUAL AOS DEPUTADOS

TAMBÉM QUERO BOLSA-ALUGUEL, IGUAL AOS DEPUTADOS
Essa foi a escora racional do discurso. Claro que o que se queria era fazer bonito para a plateia. O então presidente da Assembleia, Dinis Pinheiro (PR), concorreria no ano seguinte a vice-governador e, em 2013, ainda era cotado como pré-candidato a governador e senador. Ficaria bem para ele colar à própria imagem o papel de gestor moralizador atento às tais “vozes das ruas”. Pois chegou 2015, as vozes se calaram, e a eleição passou.
O peemedebista Adalclever Lopes foi candidato único para o comando da Mesa nesta nova Assembleia. Foi ungido por um consenso surpreendente para um plenário que promete sediar debates quentes. Agradou de petistas a tucanos, de pastores a representantes de movimentos sociais, de delegados a réus.
Já na primeira sessão, após a instalação da legislatura, no domingo, 1º de fevereiro, Adalclever e seus colegas de diretoria decidiram abrir a “caixa de Pandora” da história. Ressuscitaram o auxílio-moradia e outra atrocidade a ser descrita abaixo. Ora, está claro de onde nasceu o consenso em torno da chapa única, afinal, a imoralidade segue como denominador comum mesmo nos ambientes mais ecléticos.
SÓ QUATRO FORAM CONTRA
Justiça seja feita a Ione Pinheiro (DEM, irmã de Dinis), Jean Freire (PT), João Leite (PSDB) e Marília Campos (PT), que votaram contra a medida de flagrante retrocesso, em primeiro turno. O segundo turno pode ocorrer hoje, e a pressão existe, ainda que tímida. Na plataforma Avaaz foi criado um abaixo-assinado pelo não retorno da bolsa-aluguel, que seria mensal, de R$ 2.850 por deputado.
Na mesma sessão, na semana passada, foi aprovado outro absurdo: o deputado que se licenciar da cadeira para assumir, por exemplo, uma secretaria de Estado, pode continuar a receber os R$ 20 mil mensais a que cada gabinete tem direito para sua manutenção, a chamada verba indenizatória. Essa mamata é tanto ou mais injustificável do que a primeira. O auxílio-moradia e o recebimento da verba de gabinete para o licenciado são facultativos. Mas quem teria a coragem de dizer não?
Cidadão mineiro, cuide de limpar o seu quintal com o mesmo ímpeto com que se interessa pelos desmandos de Brasília. Que tal mandar agora um e-mail desaforado para seu deputado estadual?