Portal mídia livre 15 anos

STF autorizou nova série de depoimentos de delação premiada.

STF autorizou nova série de depoimentos de delação premiada.
 
CURITIBA - O doleiro Alberto Youssef deve prestar novo depoimento à força-tarefa da Operação Lava-Jato para dar mais esclarecimentos sobre as citações feitas a autoridades com foro privilegiado, que são julgadas apenas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) . 
 
Na manhã desta quarta-feira, os advogados do doleiro pediram ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, que ele seja dispensado de comparecer à audiência marcada para esta tarde na Justiça Federal, no processo que envolve dirigentes da empreiteira Mendes Junior. 
 
O pedido foi deferido e o doleiro vai falar da carceragem da Polícia Federal. 
 
Youssef já prestou mais de 80 depoimentos no âmbito da delação premiada. 
 
O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa falou 83 vezes à força-tarefa.
 
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou que fossem tomados novos depoimentos de Youssef e do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, a pedido da Procuradoria-Geral da República. 
 
A informação é que não há fatos novos, apenas necessidade de detalhar depoimentos anteriores.
 
O Ministério Público Federal só vai concluir os pedidos de abertura de inquérito contra políticos no STF e no Superior Tribunal de Justiça (STJ) depois de realizados os depoimentos.
 
A audiência com depoimentos de testemunhas na ação contra dirigentes da Mendes Junior e da UTC também acontece na tarde desta quarta-feira na Justiça Federal de Curitiba. 
 
Vão depor o empresário Augusto Ribeiro Mendonça Neto, dono da Setal, do grupo Toyo-Setal; o consultor Júlio Almeida Camargo, que prestou serviços para a Samsung, Toyo Setal e Camargo Corrêa, e fez pagamento de propinas no Brasil e no exterior; a contadora Meire Poza, que trabalhou para o doleiro; e Leonardo Meirelles, que fez remessas ilegais de dinheiro para o exterior com contratos de câmbio fictícios por meio da empresa Labogen.
 
Onze réus desta ação respondem em liberdade, um está em prisão domiliar (Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras) e quatro estão presos: além de Youssef, Sérgio Cunha Mendes, vice-presidente da Mendes Junior; Ricardo Pessoa, presidente da UTC; e João Procópio de Almeida Prado, que está preso no complexo médico penal de Curitiba e é acusado de operar as contas e offshores do doleiro no exterior.