Portal mídia livre 15 anos

Professor que encontrou falhas nas urnas eletrônicas deixará o Brasil

Compartilhe

Professor que encontrou falhas nas urnas eletrônicas deixará o Brasil

O professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Diego Aranha, é uma das poucas pessoas independentes, sem relação com o governo, que conseguiram colocar as mãos nas urnas eletrônicas, realizar alguns testes de invasão e buscar vulnerabilidades.

Desiludido com a decisão do STF que barrou o voto impresso, o pesquisador está deixando o Brasil para dar aulas na Dinamarca, especificamente na Universidade de Aarhus. 

"A decisão veio de uma desilusão generalizada com o estado completamente disfuncional do país. A (in)segurança da urna eletrônica é apenas mais um exemplo infeliz", resume Aranha sobre a mudança.

Aranha lutou para que um sistema mais seguro de contagem de votos fosse implementado no país. Uma de suas ideias, era justamente adicionar uma chamada camada extra de segurança: o voto impresso.

No dia em que o STF venceu essa luta, Aranha tweetou: 

"Voto impresso derrubado no STF. Nenhuma surpresa, com exceção do voto do relator, cujos votos inclusive funcionam como um gerador de números aleatórios superior ao utilizado em 2012 para proteger o sigilo do voto. O Supremo Tribunal Federal acaba de suspender as provas de papel verificadas pelos eleitores nas próximas eleições. O principal argumento de apoio era o risco representado para o sigilo do voto se um mesário verificasse a cédula impressa. Esta máquina também tem uma tela grande, mas tanto faz".

Mais Notícias

 CARRINHO DE BONECAS PARA SEU SOBRINHO NO DIA DA CRIANÇA. Click aqui
CARRINHO DE BONECAS PARA SEU SOBRINHO NO DIA DA CRIANÇA. Click aqui

UMA INFÂNCIA FELIZ: AINDA BEM QUE NÃO SOU SOBRINHO DE LUCIANA GENRO!

Revolução? Coisa de aborrecentes.Confira aqui
Revolução? Coisa de aborrecentes.Confira aqui

Gary North afirma que o que está em curso não é nenhuma revolução, nem mesmo tecnológica. Revolução é termo da política, e implica centralização do poder, como demonstram as revoluções ocorridas na história. Estamos, sim, é à beira de uma não-revolução. Ainda bem: