Presidente do STF tem muito o que explicar à sociedade . Confira!

Cármen Lúcia até hoje não pautou pedido de suspeição do ministro Gilmar Mendes, solicitado há meses pelo então Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot

Presidente do STF tem muito o que explicar à sociedade . Confira!
Rio - Presidente do Supremo Tribunal Federal, a ministra Cármen Lúcia tem muito a explicar à sociedade para que não lhe caia a pecha de preservar uma Corte corporativista. Até hoje não pautou pedido de suspeição do ministro Gilmar Mendes, solicitado há meses pelo então Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, no caso da soltura de Jacob Barata Filho por decisão de Gilmar em duas ocasiões. Gilmar, compadre  confesso de Barata, o soltou pela terceira vez e deixou o Supremo na contramão de outros casos de presos que também almejam a liberdade. Cármen já se enrolou com voto de minerva no caso que deixou para o Senado o aval de decidir se Aécio Neves deveria ser preso – e assim abriu precedente inédito no qual, agora, toda Assembleia Legislativa ou Câmara de Vereadores terá a palavra final sobre decisão judicial de prisão de mandatários.


"Padim".

O então governador Aécio, em Minas Gerais, foi um dos apoiadores para a nomeação da mineira Cármen Lúcia para o STF. Todo nome para o Judiciário passava por ele.

"Luz da lei".

Não há erro na liminar monocrática para Barata Filho, solto por decisão de Gilmar. Foi à luz da interpretação da lei. O problema é a suspeição da relação de compadrio.

"Volta ao Rio".

O ministro da Secretaria de Governo, Moreira Franco, está se movimentando politicamente para se lançar a deputado federal.

"Bolsonaro x Lula".

Caso Geraldo Alckmin, potencial candidato tucano à Presidência em 2018, não ganhe corpo, ficará evidente polarização entre Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (Patriota). Mas para Bolsonaro crescer, lembram raposas políticas, ele terá de ceder. Dar uma de ‘Lulinha paz e amor’. Ou seja, baixar a voz e a gritaria. Só assim Lula ganhou a eleição.

"Sobre cartas".

Fato é que Lula quer repetir a Carta ao povo brasileiro, se não for impedido pela Justiça de concorrer. Fato também é que Bolsonaro, se quiser escrever uma Carta, não será apenas para o povo. Mas também para a Federação dos Bancos e para a Confederação Nacional da Indústria. A turma do andar de cima. Será que ele topa?

"Missiva".

Assim como fez para se livrar da segunda denúncia da PGR, o presidente Michel Temer cogita enviar uma carta para deputados da base governista em apelo à aprovação da

reforma da Previdência. Repetirá que as mudanças nas regras de aposentadoria “são urgentes, fundamentais e não podem mais esperar”.

"Será"?

A presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário, Jane Berwanger, reiterou durante a 23ª Conferência Nacional da Advocacia Brasileira que a proposta de reforma do Governo Michel Temer é um retrocesso: “Estamos diante de uma possível catástrofe, pois o Governo defende que todos os males da humanidade vêm da Previdência”.


"Ah, Geraldo".

O deputado major Olímpio (SDD-SP) fez levantamento e sustenta que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não nomeou 1.240 novos policiais, como anunciou o tucano. “Olha o nariz crescendo”, provoca o parlamentar.

"Aos números".

Olímpio afirma que, ao invés dos 1.240 agentes anunciados, foram nomeados 959; desses, 186 já eram policiais que apenas mudaram de carreira. Portanto, afirma, foram só 773, 40% a menos.

"Cota de Temer".

Tem um pano de fundo a diplomacia do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, ao evitar o confronto com o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. O tucano negocia pessoalmente com o presidente Michel Temer sua permanência no comando do Itamaraty, mesmo com o desembarque do PSDB da base.

"Precedente".

O chanceler Aloysio Nunes pretende trilhar o mesmo caminho do colega da Defesa, Raul Jungmann, que permaneceu à frente da pasta mesmo após o partido (PPS) desembarcar do Governo, em maio, quando veio à tona o escândalo JBS.

"Bombeiro do DF".

Sem literatura para esses casos, o Brasil incorre no equívoco de fechar os olhos para seus problemas. Seja por ato pessoal e ou isolado, independentemente da motivação, o bombeiro que roubou caminhão da corporação colocou vidas em risco. Em qualquer outro país, nos EUA ou na Europa, isso seria tratado como suspeita de terrorismo.

"Terrorismo mineiro".

Lembramos ainda o equívoco da mídia em insistir em citar como “tragédia” o caso da creche incendiada por zelador em Janaúba (MG), que resultou em mais de 10 mortos – a maioria crianças. Não foi tragédia, foi ato terrorista consumado.

0 Comentários

Deixe seu comentário

ATENÇÃO!    Todos os comentários passam por moderação.