Portal mídia livre 15 anos

PGR fecha o cerco em Gilmar Mendes e diz que o ministro libertou empresário com decisão “obscura”

Compartilhe

PGR fecha o cerco em Gilmar Mendes e diz que o ministro libertou empresário com decisão “obscura”

A Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, recorreu da decisão de Gilmar Mendes que libertou o empresário Arthur Pinheiro Machado, considerado chefe de um esquema de lavagem denunciado pela Operação Rizoma.

No recurso, segundo O Antagonista, Dodge afirma que a decisão liminar concedida pelo ministro possui “obscuridade, contradição e omissão”.

Machado foi preso em 9 de abril por ordem da 7ª Vara Federal, do Rio de Janeiro que, posteriormente, em 17 de maio, determinou o segundo mandado de prisão em razão do surgimento de fatos novos.

A PGR menciona o fato do ministro do STF ter afirmado na decisão de 7 de junho que o segundo decreto de prisão seria um “inconformismo com a ordem de habeas corpus anteriormente deferida por este Tribunal”.

No entanto, a ordem, à qual se referiu o ministro, é datada do dia 24 de maio, uma semana depois da segunda determinação de prisão. 

“Obviamente, não há como considerá-la fruto de inconformismo”, resume a PGR, frisando que o segundo mandado de prisão baseou-se em fatos novos que chegaram ao conhecimento da Justiça Federal no momento em que foi proposta a denúncia.

Mais Notícias

Belo Monte é a Gota D'água? Click e veja no site de Tavinho
Belo Monte é a Gota D'água? Click e veja no site de Tavinho

QUE FALTARÁ... AO BRASIL, NUM FUTURO PRÓXIMO.

Click aqui para ver a matéria completa.
Click aqui para ver a matéria completa.

Círio de Nazaré leva 2 milhões de fiéis às ruas de Belém

Fantástico Denunciou Aécio: Devolva O Restante Do Dinheiro Senador. Confira
Fantástico Denunciou Aécio: Devolva O Restante Do Dinheiro Senador. Confira

Reportagem de domingo (28) apresentada pelo Fantástico implodiu com o senador afastado Aécio Neves. Nela os repórteres deram detalhes sobre o caminho do dinheiro, o depósito, as filmagens, as empresas de fachadas envolvidas e ainda cobraram a ausência de R$ 1.020.000 que Aécio não devolveu.