Portal mídia livre 15 anos

Mais agilidade, menos mortes. Confira!

Compartilhe isso

Mais agilidade, menos mortes. Confira!

Mulheres sofrem para ter acesso a medidas de proteção e correm o risco de nova agressão

Texto de Sérgio Vidigal 

A cada dois segundos, uma mulher é vítima de violência física ou verbal no Brasil. Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostram ainda que tramitaram na Justiça do país mais de um milhão de processos referentes à violência doméstica contra a mulher, em 2016. O número corresponde, em média, a um processo para cada 100 mulheres.  

Foi pensando nessas milhares de vítimas que apresentamos o projeto de lei 36 de 2015 para permitir que delegados concedam medidas protetivas de urgência a vítimas da violência doméstica

Não queremos alterar a Lei Maria da Penha. Ao contrário. Pensamos na aplicabilidade da lei, que leva o nome da farmacêutica Maria da Penha, de 71 anos. A própria esperou 19 anos para que o responsável pela sua agressão fosse punido. 

O projeto que concederia medidas protetivas seria aplicado diante de situações de risco iminente à vida e integridade física e psicológica da mulher. Nesses casos, o delegado poderia conceder a medida, desde que o juiz seja comunicado em até 24 horas. Em seguida, caberia ao magistrado manter ou rever a decisão. 

Atualmente, esta é uma atribuição exclusiva do juiz. E é justamente onde mora o perigo: muitas mulheres sofrem para ter acesso a medidas de proteção e acabam mais tempo correndo o risco de sofrerem uma nova agressão

Outra importante medida inclui o direito a atendimento policial "especializado e ininterrupto", realizado preferencialmente por profissionais do sexo feminino. Sob o ponto de vista psicológico, a vítima se sentiria mais segura em narrar o seu caso para outra mulher. 

Também reforçamos a necessidade de que os Estados e o Distrito Federal priorizem a criação de delegacias especializadas no atendimento à mulher.

Foram dois anos de debate na Câmara dos Deputados e no Senado Federal para chegarmos a este que seria um grande avanço para as mulheres. Com o veto presidencial na rapidez do atendimento, espera-se que o governo e o Congresso Nacional se mobilizem em torno de políticas de amparo a tantas “Marias da Penha”. (Sergio Vidigal é deputado federal pelo PDT do Espírito Santo)

Mais Notícias

 As alternativas para um novo e mais justo sistema eleitoral. Confira!
As alternativas para um novo e mais justo sistema eleitoral. Confira!

Para que as eleições deixem de ser farsa: submissão dos candidatos e partidos às mega-empresas, evidente nos casos Odebrecht e JBS, tranforma jogo eleitoral num teatro de trapaças. Mas há alternativas

BEM AVENTURADOS OS MANSOS. Click aqui e entre no site de Tavinho
BEM AVENTURADOS OS MANSOS. Click aqui e entre no site de Tavinho

Sou pela mansidão. Sou pelo respirar fundo, pelo calar antes de dizer, pelo pensar antes de agir. Sou pela seleção das lutas, pelo ver além do que está à frente dos olhos. Sou pelo gerir das forças.