Portal mídia livre 15 anos

Investigação da PF sobre repasses do Instituto Lula a empresa de filho do presidiário

Compartilhar

Investigação da PF sobre repasses do Instituto Lula a empresa de filho do presidiário

O Brasil aguarda a conclusão da investigação da Operação Lava-Jato sobre a origem de R$ 30,7 milhões pagos por pelas maiores empreiteiras envolvidas nas fraudes à Petrobras ao Instituto Lula e à LILS Palestras, empresa do ex-presidente Lula.

Entre as empresas que repassaram recursos para o ex-presidente que se encontra preso em Curitiba desde o início de abril estão a Camargo Correa, OAS, Odebrecht, Andrade Gutierrez, UTC e Queiroz Galvão. Juntas, estas empresas doaram R$ 20,7 milhões ao Instituto e pagaram R$ 9,920 milhões por palestras entre 2011 e 2014. Todas elas se beneficiaram de contratos milionários com a Petrobras durante os governos de Lula e Dilma, ou em outras obras federais.

Na época da deflagração da 24,ª fase da Operação Lava Jato, o juiz Sérgio Moro chamou a atenção para os vultosos valores e geram dúvidas sobre a “generosidade” das empreiteiras. A Odebrecht pagou quase meio milhão por palestra de Lula. No caso da OAS, foram US$ 200 mil, ou quase R$ 800 mil por palestra.

Na época, o procurador Carlos Fernando Lima apontou que as cinco maiores empreiteiras foram responsáveis por 60% das doações ao Instituto Lula e 47% dos pagamentos por palestras. Ao mesmo tempo em que recebeu das empreiteiras, a quebra de sigilo revelou que o Instituto Lula fez repasses a empresas dos filhos do ex-presidente.


As informações são de O GLOBO