Portal mídia livre 15 anos

General Theophilo vai assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública

Compartilhar

General Theophilo vai assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública

O futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, confirmou que General Theophilo passa a fazer parte da equipe a partir de janeiro


Candidato ao governo do Ceará nas eleições de 2018 pelo PSDB, General Theophilo se desfiliou do partido para assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública, integrada ao Ministério da Justiça, ao lado do futuro ministro Sérgio Moro. Convidado por Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil pelo PSL, ele já participa da equipe de transição, em Brasília, para o início dos trabalhos a partir de 2019.

 

No início da tarde desta terça-feira (4), o futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, confirmou que General Theophilo passa a fazer parte da equipe a partir de janeiro de 2019.

 

Em entrevista por telefone à produção da TV Jangadeiro, Theophilo havia confirmado que esperava ser anunciado em breve. “Estive com o ministro Moro, e o presidente Bolsonaro me ligou, me convidando para ser o secretário nacional de Segurança Pública”, adiantou o General.

 

General Theophilo explica a proposta de atuação da pasta, que será integrada ao Ministério da Justiça. O novo secretário vai trabalhar em parceria com o ministro Sérgio Moro, no Ministério da Justiça.

Mais Notícias

Dólar está em baixa após nova pressão do Banco Central
Dólar está em baixa após nova pressão do Banco Central

Ao meio dia a moeda americana recuava 0,69%, a R$ 3,6808 na venda, depois de cair 5,59% na sexta

BALANÇO DE HOJE 15 PRESOS PELA PF. Click aqui
BALANÇO DE HOJE 15 PRESOS PELA PF. Click aqui

A Polícia Federal deflagrou nesta terça (22) , a 26ª fase da Operação Lava Jato, em São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Piauí, Distrito Federal, Minas Gerais, Piauí e Pernambuco. Trata-se desdobramento da Acarajé, a 23ª etapa, que prendeu o publicitário João Santana, ex-marqueteiro das campanhas eleitorais da presidente Dilma e do ex-presidente Lula, e sua mulher e sócia Monia Moura, que estão presos em Curitiba. Em Brasília, a PF está no hotel Golden Tulip, onde moram vários políticos e se hospeda o ex-presidente Lula, que nesta segunda-feira (21) jantou com a presidente Dilma Rousseff. O local fica próximo à residência oficial dp Palácio da Alvorada. O alvo principal desta fase é a empreiteira Odebrecht. Cerca de 380 policiais federais cumprem 110 mandados judiciais nos estados de . A atual fase foi batizada de Operação Xepa e tem como um dos alvos o Grupo Odebrecht. Do total de mandados, 67 mandados são de busca e apreensão, 28 mandados de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, 11 mandados de prisão temporária e quatro de prisão preventiva. A PF informou que descobriu um esquema de contabilidade paralela do Grupo Odebrecht destinado ao pagamento de vantagens indevidas a terceiros, vários deles com vínculos diretos ou indiretos com o poder público em todas as esferas, a partir do material apreendido na Operação Acarajé. Ainda de acordo com a PF, há indícios concretos de que o grupo se utilizou de operadores financeiros ligados ao mercado paralelo de câmbio para a disponibilização de recursos ilegais. A prisão temporária tem prazo de cinco dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período ou convertida em preventiva, que é quando o investigado fica preso à disposição da Justiça sem prazo pré-determinado. Os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba. Os mandados estão sendo cumpridos um dia depois da Operação Polimento, 25ª etapa da Lava Jato, deflagrada em Portugal nesta segunda-feira, 21. A fase internacional prendeu o empresário Raul Schmidt Felipe Junior, que estava foragido desde julho de 2015.