Portal mídia livre 15 anos

CANDIDATO DE OPOSIÇÃO AO FORO DE SÃO PAULO DISPARA NA ARGENTINA E ULTRAPASSA O FANTOCHE DE CRISTINA KIRCHNER. Click e veja no site de Tavinho

Argentina começa a cair fora dessa turma de Lula e Maduro

CANDIDATO DE OPOSIÇÃO AO FORO DE SÃO PAULO DISPARA NA ARGENTINA E ULTRAPASSA O FANTOCHE DE CRISTINA KIRCHNER. Click e veja no site de Tavinho
De repente a Argentina tirará o pé da lama bolivariana antes do que o Brasil. Pesquisa mostra o candidato de oposição Mauricio Macri na frente e os número indicam neste momento que na reta final do pleito o cacife de votos da Oposição deverá crescer ainda mais.
Embora a Argentina esteja logo ali os veículos da grande mídia brasileira, controlados severamente pelos esbirros do Foro de São Paulo, fazem a cobertura apenas por meio dos despachos das agências internacionais de notícias. 
Precisa, por exemplo, esclarecer qual é a empresa de administratará o sistema de voto eletrônico na Argentina e se a apuração é auditável, isto é, se possibilita a conferência de votos em caso de denúncias de fraudes. 
O site da revista Veja deu uma notinha se referindo ao fato de que a Oposição à dinastia Kirchner está na frente. Isto é muito pouco, até porque o Lula andou por lá fazendo campanha para o candidato da bruxa Cristina. Sim, porque o regime argentino também reza pela cartilha do Foro de São Paulo. Leiam:
Uma pesquisa realizada pela consultoria Management & Fit e publicada pelo jornal argentino El Clarínmostra o candidato de oposição Mauricio Macri com mais de oito pontos de vantagem sobre o governista Daniel Scioli na disputa pela presidência da Argentina.
Segundo a pesquisa, o prefeito de Buenos Aires e ex-presidente do Boca Juniors tem 51,8% da preferência do eleitorado, contra 43,6% do indicado pela mandatária Cristina Kirchner. Outros 4,6% devem anular seus votos.
No pleito de 25 de outubro, Scioli obteve 37,08%, e o oposicionista Macri, 34,15%, levando as eleições para um inédito segundo turno na Argentina. O terceiro colocado na ocasião, Sergio Massa (21,39%), um peronista dissidente, não deu apoio explícito ao prefeito de Buenos Aires, mas disse que não votará no candidato de Cristina.  O segundo turno está marcado para 22 de novembro.