Portal mídia livre 15 anos

Após Fachin sofrer ameaças, Supremo age para contornar grave situação

Compartilhe

Após Fachin sofrer ameaças, Supremo age para contornar grave situação

Ministro da Suprema Corte brasileira e relator da Lava Jato, Luiz Edson Fachin, tornou-se alvo de ameaças que vieram à tona recentemente.

A mais alta instância do Poder Judiciário nacional; o Supremo Tribunal Federal (STF), atravessa momentos extremamente complicados, em se tratando de supostas ameaças direcionadas a um de seus ministros da Suprema Corte. Trata-se de um reforço de segurança dirigido ao ministro Luiz Edson Fachin, que possui em mãos uma tarefa exponencialmente complexa; continuar com a relatoria de todos os processos relacionados a maior operação anticorrupção em toda história do Brasil; a Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Porém, vale lembrar que a força-tarefa da Lava Jato é conduzida em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, capital do estado do Paraná e onde estão concentrados em primeiro grau, os inquéritos que se referem à elucidação de crimes de “colarinho branco” ocorridos através de um mega esquema de corrupção e de distribuição de propinas que acarretou a “sangria” dos cofres públicos da maior estatal brasileira; a Petrobrás.

Mobilização para mais medidas de segurança a magistrado da Suprema Corte
O ministro Edson Fachin, há alguns meses, relatou para a imprensa que estaria sofrendo fortes ameaças e que como magistrado iria buscar medidas que possibilitassem um aumento de sua segurança. O magistrado lida com os mais complexos casos de corrupção e crimes relacionados e tem a responsabilidade de conduzir a relatoria da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Vale lembrar que em meados do mê de março passado, o magistrado revelou que seu familiares estariam sendo alvos de ameaças e intimidação, cuja situação ele preferiu não se prolongar a respeito, mas deixar que as investigações possam concluir o caso.

Um dos principais motivos que levam à preocupação do ministro supracitado do Supremo, seria a segurança de sua esposa, a desembargadora Rosana Amara Girardi Fachin, que segundo ele, não estaria usufruindo de segurança institucional.

A Polícia Federal vem contribuindo de modo exponencial, em se tratando das investigações realizadas a partir da abertura de inquérito, além da garantia de integridade de pessoas que estão em postos públicos elevados. O chefe da Polícia Federal, Rogério Galloro, chegou a realizar reuniões com a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia e com o próprio ministro Fachin para debater a sua segurança.

Entretanto, o Supremo resolveu cortar pela metade, em se tratando dos últimos dois anos, a segurança de ministros que residem nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Porém, já no estado do Paraná, que é o local em que reside o ministro Edson Fachin, a Corte aumentou os gastos inerentes à segurança do magistrado ao aumentar o número de agentes que reforçam a segurança do ministro supra-citado em duas vezes.

Via: blastingnews

Mais Notícias

A visão delirante de Dilma. Click aqui
A visão delirante de Dilma. Click aqui

Repito o que disse no Twitter: Dilma não é apenas caso de impeachment, mas de internação em instituição psiquiátrica. Sua visão é simplesmente delirante, conforme editorial do jornal O Globo publicado agora à tarde:

Pedido de cassação de Eduardo Cunha é aprovado no Conselho de Ética. Click aqui
Pedido de cassação de Eduardo Cunha é aprovado no Conselho de Ética. Click aqui

11 deputados votaram a favor da cassação e 9 votaram contra

PT PODE ENCOLHER PARA 2 SENADORES, EM 2018. Click aqui
PT PODE ENCOLHER PARA 2 SENADORES, EM 2018. Click aqui

DOS DEZ SENADORES ATUAIS, 8 ENFRENTARÃO AS URNAS EM 2018