Portal mídia livre 15 anos

60% dos eleitores da PB não têm nível fundamental. Click para ler no site do Tavinho

60% dos eleitores da PB não têm nível fundamental. Click para ler no site do Tavinho
Novo levantamento divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revela que 1,7 milhão de eleitores da Paraíba (60,9%) não concluíram o ensino fundamental.
Nesta faixa, estão os analfabetos, os que sabem apenas ler e escrever e quem tem o fundamental incompleto. Esta fatia do eleitorado é suficiente para eleger 28 deputados estaduais e nove federais. Para o cientista político e professor da UFCG, Fábio Machado, este conjunto da população paraibana não está, supostamente, preparado para fazer uma escolha adequada e qualificada dos candidatos.
A projeção é feita com base em um quociente eleitoral de 60 mil votos para eleger um candidato à Assembleia Legislativa e de 178 mil votos para a Câmara Federal. Para o pleito de outubro, 2.832.737 de eleitores paraibanos estão aptos para votar nos candidatos a presidente da República, governador, senador, deputado federal e estadual. Para a Câmara Federal, serão eleitos 12 parlamentares, e 36 para a Casa de Epitácio Pessoa.
De acordo com o TSE, 280.519 eleitores paraibanos são declarados analfabetos, o equivalente a 9,9% do total. Por sua vez, 648.243 (22,8%) sabem ler e escrever e 798.651 (28,1%) revelam que têm o ensino fundamental incompleto.
Na outra ponta, 162.658 (5,7%) que estão aptos a votar possuem o diploma de ensino superior, enquanto 95.675 (3,3%) não concluíram a graduação.
QUALIFICAÇÃO O professor Fábio Machado ressaltou que não há estudo científico que mostre a correlação do voto com o nível de escolaridade do eleitor e a eleição de bons ou maus agentes públicos, mas há uma suposta tendência de que o cidadão mais instruído pode fazer uma escolha qualificada.
“Você pode entender de política sem necessariamente passar pelos bancos das escolas. Todavia, existe essa tendência de correlacionar o fato de que pessoas que tenham escolaridade menor, supostamente, a gente imagine que possuam um nível menos complexo de leitura e que efetivamente podem fazer uma escolha de candidato de forma mais imediata, um toma lá dá cá (assistencialismo) ou coisa desse tipo”, comentou o cientista político. Em princípio, acrescentou Fábio Machado, se a população tivesse um nível de escolaridade maior, analisaria "coisas deletérias” da política da Paraíba.
“Para mim é a antipolítica isso que se está fazendo agora na Paraíba”, concluiu.
FalaPB.com
Jornal da Paraíba