‘Financial Times’ e ‘The Economist’ resistem aos esforços de Bolsonaro ser “liberal”. Confira!

Compartilhe isso

‘Financial Times’ e ‘The Economist’ resistem aos esforços de Bolsonaro ser “liberal”. Confira!

As publicações londrinas “Financial Times” e “The Economist”, vozes tradicionais do mercado financeiro global, resistem aos esforços de Jair Bolsonaro para se apresentar como representante liberal. O jornal sublinhou que seus “oponentes temem uma volta aos dias sombrios”, pois ele “invoca passado brutal”.

A revista diz que a retórica de Bolsonaro é “ainda mais indecorosa” do que a de Donald Trump, que o candidato procura criticar.

CASO WAACK – O “New York Times” publicou na página 4 de sábado uma reportagem mostrando como a frase “É coisa de preto”, de William Waack, jornalista da Globo, se transformou em campanha de afirmação das realizações de negros brasileiros, na internet.

Por outro lado, a autora do texto, Shasta Darlington, ex-CNN, o editor da “Americas Quarterly”, Brian Winter, ex-Reuters, e outros correspondentes reagiram via Twitter ao “dilúvio de jornalistas (brancos) brasileiros que defendem publicamente Waack (‘ele é talentoso / realizado / perseguido pela esquerda’)”, em ação tão “grosseira” quanto a ofensa inicial.

DIREITOS DE MÍDIA – O “Wall Street Journal” noticia que começou nesta segunda-feira (13) o julgamento de José Maria Marin e outros dirigentes esportivos, num tribunal no Brooklyn, em Nova York. O esquema envolveria “mais de US$ 200 milhões em subornos em conexão com direitos de mídia para torneios de futebol” como Copa América e Copa do Mundo.

Diz o “Wall Street Journal” que devem ser “revelados novos detalhes sobre as formas complicadas com que os acusados moviam dinheiro”.

0 Comentários

Deixe seu comentário

ATENÇÃO!    Todos os comentários passam por moderação.